Blogroll

               

28 setembro 2016

As quedas de Sérgio Soares

Um treinador promissor e que mostrou seu valor em várias oportunidades, mas sucumbiu em meio as pressões do futebol e não conseguiu desenvolver seu trabalho, esse é Sérgio Soares e seus QUASE sucessos. 



Logo que se aposentou do futebol, no Santo André, o ex-meia recebeu um cargo na comissão técnica do clube. Em 2005, após ter feito parte o elenco campeão da Copa do Brasil no ano anterior, assumiu a equipe para as disputas da Libertadores e Série B. Na competição continental, o clube do ABC Paulista parou na primeira fase e viu o sonho de retornar a Série A cair por água abaixo no decorrer do ano.

Após idas e vinda no futebol paulista, em 2008, o treinador voltou para o Santo André e foi um dos responsáveis por colocar o clube na Série A. 

Após vários insucessos, Sérgio Soares só foi ter outro trabalho de destaque no clube que fez o seu primeiro trabalho. Em 2010, comandou o Santo André no vice-campeonato paulista, quando perdeu para o Santos de Neymar, Robinho, Ganso e companhia. 

Fracassos no Nordeste

Em 2013, após Sérgio Guedes ser demitido do Ceará, Soares chegou ao clube para brigar pelo acesso, mesmo com o Vovô longe do G4.

Com um trabalho de recuperação, brigou pelo acesso até a última rodada, mas problemas internos entre jogadores atrapalharam o rendimento dentro de campo e o acesso não foi conquistado por apenas um ponto. 

Sem levar culpa da torcida, Sérgio permaneceu para o ano seguinte tendo a obrigação de ganhar títulos importantes e conquistar o acesso no centenário do clube. 

No primeiro torneio, sucumbiu diante do Sport e ficou com o vice da Copa do Nordeste, tendo levado a culpa por ter mudado o esquema no jogo de ida e ter perdido por 2x0. 

No estadual, um tetracampeonato sofrido diante do Fortaleza com dois empates em 0x0 deram o único título de relevância no comando do Ceará.

Na Série B, o principal objetivo do ano, era conquistar o acesso para a Série A e o clube era um dos favoritos, principalmente pela folha salarial muito alta.

Com um primeiro turno perfeito, o Vovô era líder disparado da competição e o acesso já era dado como certo pela crítica esportiva, mas eis que "problemas internos" aparecem dentro do grupo e a equipe cai vertiginosamente de produção até o treinador ser demitido sem cumprir o objetivo. 

Em 2015, mais uma grande oportunidade de se redimir com uma equipe favorita ao acesso, o Bahia. No clube baiano repetiu o script do ano anterior: foi campeão estadual, vice do Nordestão e sucumbiu no segundo turno da Série B até ser demitido. 

Após um bom trabalho no São Bernardo e um péssimo início de temporada do Ceará, o treinador voltou ao comando do Vovô para a Série B.


Parece que o história se repetiu. Após um bom início de competição e a vaga no G4 assegurada ao fim do primeiro turno, mesmo sem atuações convincentes, o treinador não conseguiu segurar o ritmo e já amarga ONZE jogos sem vitórias ocupando a nona colocação do certame. 

Os caminhos até a queda: os erros de Sérgio Soares

Em entrevista à ESPN antes de começar a Série B, o treinador falou que o passado servia de lição para não cometer os mesmos erros, mas as coisas não estão caminhando dessa forma e o script vai se repetindo. 

Queda de rendimento do time, substituições questionáveis e relacionamento conturbado com o elenco, além da perda de confiança da torcida em seu trabalho. 

Peças importantes, como Felipe, Rafael Costa e Wescley, caíram de rendimento, e Sérgio Soares não conseguiu intervir de forma efetiva para que o time permanecesse no caminho do sucesso. Experiências malsucedidas contribuíram para a queda de desempenho da equipe.  

Mudanças de esquema, alterações sem muito nexo e a falta de compactação são alguns dos 'porquês' da queda de rendimento do Ceará nesse segundo turno. 


Se oficialmente ainda não foi demitido, a decisão parece está mais próxima do que se pensa. O Ceará não rende, não vence e mais uma vez o script de Sérgio Soares vai se repetindo. 

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

c