Blogroll

               

02 janeiro 2017

Craques que apareceram na Copinha

Começa nessa segunda-feira (02) o maior campeonato de futebol juniores do Brasil, a Copa São Paulo de Futebol Júnior. Em 2017 o campeonato chega a sua 48ª edição com recorde de participantes, ao todo serão 120 equipes dividas em 30 grupos, com cerca de 3 mil jogadores inscritos.

O torneio foi criado em 1969, e em seus primeiros anos tinha como participantes apenas equipes paulistas. Porém a partir de 1971 times do restante do país começaram a ser convidados, o que abriu espaço para a revelação de jogadores que fizeram história no futebol brasileiro e mundial.



Falcão - Internacional 1972


















Antes de se tornar o "Rei de Roma", Paulo Roberto Falcão deu seus primeiros passos no futebol na Copa São Paulo. O volante foi um destaques na edição de 1972, na quela acabou com o vice campeonato pelo Internacional, pouco depois já integrava a equipe de profissionais do Gigante da Beira Rio.


Toninho Cerezo - Atlético/MG 1972



















Cerezo também surgiu na mesma edição que Falcão, o volante de passadas largas e ótimo passe chamou a atenção por seu futebol diferenciado e logo foi levado ao profissionais do Galo.


Casagrande - Corinthians 1980



Antes de liderar o movimento da "Democracia Corintiana", Walter Casagrande passou pela Copa São Paulo. Um atacante alto, magro e de muita raça, assim era 'Casão'. O emblemático jogador foi um dos grandes nomes que passaram pela competição com certo destaque. 


Raí - Botafogo/SP 1983

Raí é um dos grandes nomes da história do São Paulo, porém poucos sabem que o eterno camisa 10 do tricolor do morumbi começou sua carreira no Botafogo de Ribeirão Preto. Na Copa de São Paulo de 1983 o jovem meio campista levou o time do interior paulista até a final da competição, mas saiu com o vice campeonato, perdendo a final por 2 a 1 para o Atlético/MG.


Cafu - São Paulo 1988

O capitão do Penta Campeonato com a Seleção Brasileira em 2002 começou sua trajetória no futebol há quase 30 anos. Cafu era o titular da lateral direita no campeonato de juniores. Pouco tempo depois foi levado por Telê Santana para os profissionais do clube, onde conseguiu todos os títulos possíveis com  o clube.


Djalminha - Flamengo 1990

O Flamengo campeão brasileiro de 1992 começou a se formar na Copa São Paulo de 1990, nomes como: Piá, Nélio, Júnior Baiano, Luís Antônio e Fabinho venceram a competição de juniores e dois anos mais tarde levantaram o título nacional pela equipe principal. Porém a maior referência técnica daquele time era Djalminha, o genial e genioso meia rubro negro foi o maior nome daquela edição, sendo o diferencial na conquista do clube carioca.


Rogério Ceni - São Paulo 1993

O maior goleiro artilheiro da história também deu seus primeiros passos na Copa São Paulo. Rogério Ceni foi essencial na conquista do título de 1993 do clube paulista. A final diante do Corinthians rendeu a Ceni uma vaga cativa no elenco principal de Telê Santana, que logo depois começou a utilizar o goleiro no famoso: 'expressinho tricolor' que fez história até meados dos anos 90. 


Dida - Vitória 1993

Dida foi outro ótimo goleiro que apareceu na edição de 1993 da competição. O baiano foi tão bem na competição que no mesmo ano disputou e chegou a final do campeonato brasileiro, perdendo na final para o forte Palmeiras no início da 'era Parmalat'.


Deco - Corinthians 1997

Há vinte anos atrás Deco disputava e perdia a final da Copa São Paulo pelo Corinthians diante do Lousano Paulista. O excelente meia que conquistou o mundo da bola com suas atuações por Porto, Barcelona e Chelsea começou a carreira na equipe do Parque São Jorge.


Kaká - São Paulo 2001

Kaká não era titular no time do São Paulo vice campeão da copinha em 2001, era reserva no time, mas sempre entrava bem nas partidas. Suas atuações na competição chamaram a atenção de Vadão, que na época era o treinador do São Paulo. O comandante deu uma chance ao garoto entre os profissionais, e o 'menino' não desperdiçou a chance que teve.


Vagner Love - Palmeiras 2003

Uma das histórias mais folclóricas da Copinha fica por conta de Vagner Love, o atacante se destacava na competição no ano de 2003 por seus gols e atuações. Entretanto uma fuga da concentração para um encontro com uma mulher rendeu o apelido que segue o artilheiro até os dias de hoje. O termo 'love' foi adicionado a nomenclatura do atacante. Vagner não levou o título da Copinha em 2003, também foi vice campeão, mas tornou-se um bom atacante, e no próprio ano de 2003 ajudou o Palmeiras a voltar para a elite do campeonato brasileiro.


Neymar - Santos 2008 


A Copa São Paulo de 2008 rendeu ao Brasil o seu maior expoente do futebol na atualidade. Neymar, ainda com 16 anos, fez parte do elenco santista que disputou a competição no final dos anos 2000. No ano seguinte começou a ser aproveitado por Wagner Mancini no time principal. 


Dudu - Cruzeiro 2009 

Dudu era a joia cruzeirense em 2009. O atacante rápido e de boa técnica mostrava que tinha futuro e muito futebol para mostrar. Após o campeonato foi aproveitado nos profissionais do time celeste. 


Lucas - São Paulo 2010


Lucas foi o principal nome do último título do São Paulo na Copinha em 2010. O atacante ainda era conhecido como 'Marcelinho', por sua semelhança com o eterno ídolo corintiano, apelido que logo foi apagado assim que o jovem jogador subiu de categoria para os profissionais. 


Gabriel Jesus - Palmeiras 2015 

Atual camisa nove da Seleção Brasileira, Campeão da Copa do Brasil 2015, Campeão Olímpico em 2016, Campeão Brasileiro em 2016, maior contratação do Manchester City para a temporada 2017. Essas são 'apenas' algumas conquistas da maior revelação do futebol brasileiro desde Neymar. Gabriel Jesus já mostrava todo esse potencial na Copa São Paulo em 2015, o time caiu nas semi finais, mas Gabriel seguiu com suas conquistas pessoais.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

c