Blogroll

               

07 fevereiro 2017

Aguero não é o primeiro superstar a sofrer nas mãos de Pep Guardiola

Aguero e banco de reservas, uma cena que poderá ser uma constante no início da temporada

Sérgio Aguero tem 154 gols em 234 jogos com a camisa do Manchester City, também foi o autor do gol mais famoso na história do clube, mas esses números e suas marcas não o pouparam de amargar uma sequência indigesta no banco de reservas da equipe.

O futuro do atacante argentino ainda é um incógnita após o impressionante começo do brasileiro Gabriel Jesus e muitos estão se perguntando se seus dias no City estão contados.

Guardiola tem demonstrado ao longo de sua carreira ser um caçador implacável, seja por títulos ou quando se trata de jogadores que ele percebe como não encaixar com a sua filosofia. Aqui estão alguns nomes que provaram o gosto amargo da reserva durante o tempo de Pep em Barcelona, Bayern Munique e City.


Barcelona


Ronaldinho


Não havia dúvida de que Ronaldinho já estava em declínio, sua condição física e profissionalismo já vinham sendo questionado por todos. 

Mas se ele já estava indo para a porta de saída do Camp Nou, Guardiola deu o empurrão que faltava, anunciando em sua primeira coletiva de imprensa que Ronaldinho não fazia parte de seus planos e estava livre para sair.


Ronaldinho representou uma mudança gigante de uma época para outra, assim como Guardiola implementou seu próprio estilo. Ronaldinho mais tarde expressou um pesar por não ter jogado mais ao lado de Lionel Messi.



Deco

Outro que Guardiola eliminou assim que chegou ao Barcelona foi o luso brasileiro Deco. Ele esteve no clube por quatro temporadas, conquistando em uma dessas a Liga dos Campeões em 2006.

Porém Guardiola não não deu muito trela para os títulos e boas atuações do meio campista e Deco era outro dos jogadores  de quem o espanhol queria se livrar, assim arrumou uma venda para o Chelsea por 8 milhões de libras esterlinas.

Em sua coletiva de imprensa, Guardiola disse: "É hora de um novo começo neste camarim. Minha visão é que é tudo sobre desempenho e o que os jogadores podem dar ao meu elenco. Tais decisões são baseadas em sensações intangíveis."



Zlatan Ibrahimovic

Uma das trocas mais badaladas do futebol europeu aconteceu quando Samuel Eto'o foi para a Inter de Milão e Ibrahimovic desembarcou em Barcelona. Ao assinar com o sueco, Guardiola disse: "Ele é um jogador fantástico, é muito poderoso e pode fazer tudo ao mais alto nível."

Ibra começou a vida em Barcelona com 11 gols em seus primeiros 14 jogos da liga, mas as coisas rapidamente começaram a desmoronar. 

O atacante não gostou de ser movido para o lado do campo para dar mais espaço para Lionel Messi como centroavante(o falso 9), que era o homem de confiança de Guardiola.

Esse rancor silencioso logo se transformou em uma guerra de palavras, como Ibrahimovic mais tarde revelaria em passagens coloridas em sua autobiografia.

- Guardiola começou sua coisa de filósofo. Eu mal ouvia. Por que eu deveria? Era um avanço dos touros sobre sangue, suor e lágrimas, esse tipo de coisa ", escreveu ele.

A animosidade explodiu em campo aberto depois que o Barcelona perdeu para a Inter de Milão, antigo clube de Zlatan, na semifinal da Liga dos Campeões em 2010.


Ele lembrou: "Guardiola estava olhando para mim e eu perdi. Eu pensei, "lá é meu inimigo, coçando sua cabeça calva!" Eu gritei, "Você não tem moral!" E pior que eu acrescentei: "Você pode ir para o inferno!"

"Eu me perdi completamente, e você poderia ter esperado Guardiola para dizer algumas palavras em resposta, mas ele é um covarde silencioso.


Ao deixar Barcelona para o Milan, Ibrahimovic disse: "Quando você me comprar, você está comprando uma Ferrari. Se você dirigir uma Ferrari, você coloca gasolina premium no tanque. Guardiola se encheu de diesel e deu uma volta no campo. Ele devia ter comprado um Fiat".



Bayern de Munique

Mario Mandzukic

Tudo estava indo bem com Mandzukic. Chegou ao Bayern de Munique no Verão de 2012 e foi fundamental na título da Liga dos Campeões de 2013 sobre o Borussia Dortmund.

Então Guardiola foi nomeado treinador da equipe bávara e tudo mudou. Mandzukic não era adequado ao estilo de jogo de Guardiola e, apesar de ter marcado 26 gols em todas as competições durante a primeira temporada de Guardiola, a escrita estava na parede.

Depois de aceitar sua ida ao Atlético de Madrid, o atacante resolveu reclamar do antigo treinador. Mandzukic disse: "Guardiola me decepcionou - ele não me tratou com respeito.




Mario Götze

A transferência de Gotze do Borussia Dortmund para os seus rivais Bayern de Munique em 2013 foi muito controversa e Jurgen Klopp mais tarde admitiu que tinha poucas chances de o manter, porque "ele é um favorito de Pep Guardiola".

As duas primeiras temporadas no Bayern foram bastante imprevisíveis, e foi como se Gotze nunca se ajustasse ao estilo de jogo de Pep.

Embora Guardiola gostasse muito dele, ficou evidente durante a temporada 2015-16 que Gotze não iria jogar tão regularmente com o técnico. 

Com um ataque tão sólido, com nomes como: Robben, Douglas Costa e Lewandowski era sempre difícil para Gotze encontrar seu espaço no Bayern - e assim que se provou.

Guardiola o deixou regularmente no banco durante sua temporada final na Baviera e a única saída para Gotze era voltar para Dortmund.


MANCHESTER CITY

Joe Hart

O titular da seleção inglesa Joe Hart tinha sido a primeira escolha do City por oito anos, mas a chegada de Guardiola terminou com tudo isso.

Depois de um mau desempenho pela Inglaterra na Eurocopa, Hart foi deixado de lado por Guardiola em favor de Claudio Bravo, com a alegação de que o chileno tinha um melhor desempenho jogando com os pés, mais especificamente na saída de bola.

Mesmo sendo pretendido por vários clubes europeus de renome, Hart foi para o Torino por empréstimo, onde tem mostrado um futebol regular.


Em sua saída de Manchester o arqueiro disse: "Eu não fui enviado em empréstimo para ver como eu me saio ou ver se eu posso melhorar. Eu fui enviado porque eu não era desejado".



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

c