Blogroll

               

18 fevereiro 2017

As edições da Copa do Brasil de 2004 e 2005 fizeram valer o apelido de competição mais democrática do país

A Copa do Brasil é uma competição que sempre reserva boas surpresas em relação a aparição de times pequenos. Entretanto, nos últimos anos, está cada vez menor o número de zebras na competição que tem como principal característica colocar frente a frente agremiações de portes diferentes.

Para 2017, os times pequenos terão ainda mais dificuldade para surpreender os grandes. O novo regulamento da Copa do Brasil prevê 80 times disputando apenas cinco vagas nas oitavas de final. 

Isso acontece porque as oitavas de final da Copa do Brasil já têm garantidos 11 clubes. Os oito que disputam a Libertadores (Palmeiras, Santos, Flamengo, Atlético Mineiro, Botafogo, Atlético Paranaense, Grêmio e Chapecoense), o campeão da Copa do NordesteSanta Cruz, o campeão da Copa Verde, o Paysandu, e o campeão da Série B, o Atlético Goianiense.

As duas fases iniciais também tiveram mudanças. Na primeira, os clubes melhores ranqueados pela CBF visitam os piores com a vantagem do empate para avançar, mas em caso de derrota a eliminação precoce vira realidade. 

Na atual edição, times como Ceará, Fortaleza, Figueirense, Londrina, Náutico, CRB e Juventude saíram ainda na fase inaugural do certame. 

Na segunda fase, será jogo único novamente, porém será sorteado o mandante do jogo e, se houver empate, decisão por pênaltis.
Da terceira fase em diante da Copa do Brasil , voltam os jogos de ida e volta, com sorteio de mando, decidindo uma possível igualdade pelo saldo de gols, com o tento marcado fora de casa com valor dobrado. Na final da Copa do Brasil, dia 12 de outubro, só valerá o saldo de gols, mantendo valor simples para o marcado fora de casa.



Para relembrar

A Copa do Brasil nunca teve tanta zebra como no biênio 2004-2005 tanto que os campeões foram Santo André e Paulista, mas as surpresas não ficaram por aí. 
Em 2004, o pequeno São Gabriel, do Rio Grande do Sul, eliminou o Figueirense/SC ainda na primeira fase e quase passou pelo Palmeiras na fase seguinte. O time gaúcho chegou a vencer a partida de ida por 2x1, mas foi goleado no Palestra Itália por 4x0. 
Outra surpresa foi a goleada do Ferroviário/CE para cima do América/RN por 4x0 e a passagem para a segunda fase quando foi eliminado pelo Corinthians com show de Jô. 
Para se ter noção das zebras de 2004, confere os confrontos das oitavas de final:

Confrontos das oitavas de final da Copa do Brasil em 2004

Entre os dezesseis times restantes, tivemos pelo menos sete equipes que a imprensa ou você não colocaria como favoritos.
Para continuar fazendo história, Santo André, 15 de Novembro e Palmas/TO avançaram e ficaram entre as OITO MELHORES equipes do país. 
Dessa forma, os confrontos foram: Palmeiras x Santo André; Palmas x 15 de Novembro; Corinthians x Vitória e Grêmio x Flamengo. 
Em jogos equilibrados, principalmente o confronto entre os paulistas, onde o Santo André passou pelo gol marcado fora de casa. Após um empate por 3x3 em casa, o time do ABC paulista arrancou um 4x4 na capital e avançou. 
Nas outras chaves, o 15 de Novembro passou pelo Palmas, o Flamengo eliminou o Grêmio e o Vitória surpreendeu o Corinthians/SP. 
Para a semifinal, Santo André e 15 de Novembro receberam duros golpes. Seus estádios, Bruno José Daniel e  Sadi Schimidt, respectivamente, não estavam liberados pela CBF para as duas fases finais. 
O jeito foi levar os jogos para a capital onde o Ramalhão atuou no Parque Antártica e o time gaúcho comandado por Mano Meneses jogou no Olímpico. 
Em dois jogos insanos, o Santo André avançou de fase e se credenciou ao título com uma virada histórica. Após ser derrotado por 4x3 em São Paulo, os paulistas foram buscar um 3x1 em Porto Alegre.
No outro duelo, o Flamengo passou sem muitas dificuldades pelo Vitória com dois triunfos. O Rubro-Negro carioca venceu em Salvador por 1x0 e no Maracanã por 2x0. 
Na final, o grande favorito era o Flamengo, pois teria o apoio da torcida nos dois jogos e vinha confiante com um bom futebol. A festa estava montada, mas não avisaram ao Santo André. 
Após um 2x2 com o Parque Antártica abarrotado, a final ficou para o maior palco de futebol do mundo, o Maracanã.
Com mais de 70 mil pessoas no estádio, o Flamengo já tinha confeccionado as camisas, mas um sonoro 2x0 do Ramalhão calaram os rubro-negros e colocaram o time do ABC paulista na Libertadores. 

                       


Em 2005 teve repeteco


Após Santo André e 15 de Novembro assombrarem o país, a Copa do Brasil passou a ser vista com mais carinho pelos pequenos tendo em vista a oportunidade de visibilidade que o clube poderia ter. 
Com as zebras de 2004, as maiores equipes do país tentaram ficar mais ligadas para a edição seguinte, mas não deu jeito. Outras zebras apareceram e o título ficou com o Paulista de Jundiaí comandados por Vágner Mancini. 
Na primeira fase, apenas uma grande zebra. O Baraúnas/RN eliminou o América/MG e avançou de fase. 
O melhor ainda estava por vir na segunda fase. A sensação da década era o São Caetano, mas a equipe paulista não foi páreo para o Treze de Campina Grande que venceu o jogo de volta por 2x1 após empate em 1x1 na ida. 
Outras duas surpresas ainda aconteceram. O surpreendente Baraúnas eliminou o Vitória/BA com DUAS vitórias. O time do Rio Grande do Norte venceu por 1x0 e casa e despachou os baianos com um triunfo por 2x1 no Barradão. Em outro confronto, o Ituano/SP passou pelo Fortaleza com uma vitória por 2x0 em casa e uma derrota por 2x1 no Castelão. 
Esses foram os confrontos das oitavas de final da Copa do Brasil em 2005

Nas oitavas de final, quase todas as surpresas possíveis aconteceram. O Ceará eliminou o Flamengo com uma vitória por 2x0 fora de casa e segurou o 1x1 em um Castelão lotado. O Treze havia sido derrotado por 2x1 no Couto Pereira, mas conseguiu a classificação ao bater o Coxa por 1x0 na Paraíba. Em outro duelo, o Paulista passou pelo Internacional nos pênaltis. A maior surpresa dessa fase foi novamente o Baraúnas. Após um 2x2 no Nogueirão, o time nordestino foi buscar um humilhante 3x0 em São Januário e fez história no torneio. 
Para a fase seguinte, cada confronto tinha uma zebra e as semifinais poderiam ser históricas. Nem tudo aconteceu como o esperado, mas Ceará e Paulista seguiram na competição. 
O Vozão passou pelo Atlético/MG ao segurar o 1x1 no Mineirão e vencer o Galo por 2x0 no Castelão. Novamente nos pênaltis, o Paulista passou pelo Figueirense nos mesmos moldes da fase anterior. Derrota por 1x0 fora e vitória por 1x0 em casa. 
Nas outras duas chaves, os favoritos garantiram presença na fase seguinte. O Cruzeiro não tomou conhecimento do Baraúnas e sapecou um 7x3 no Nordeste e um 5x0 em Belo Horizonte. Após muita polêmica com a arbitragem, o Fluminense passou pelo Treze nos pênaltis. Com uma vitória por 1x0 para cada lado, o duelo foi definido da marca da cal. 
Nas semifinais, uma final entre Fluminense e Cruzeiro era esperada, mas quase tivemos um Ceará x Paulista. No jogo de ida, o Vovô segurou um 2x2 em São Januário e levou a decisão para Fortaleza. Mesmo com o apoio de mais de 50 mil vozes, o Alvinegro não segurou a pressão e foi goleado por 4x1. 
Com o Cruzeiro sendo bajulado após as goleadas anteriores, o Galo de Jundiaí tratou de acabar com isso e abriu uma boa vantagem no jogo de ida, 3x1. Na volta , o Cruzeiro até venceu, mas não foi o suficiente. Um 3x2 emocionante classificou o time do interior paulista para a final. 
Um pequeno time paulista contra um gigante carioca. A cena se repetiu em 2005, mas o destino seria o mesmo ? Sim! O Fluminense não segurou os comandados de Vágner Mancini e uma derrota no Jaime Cintra por 2x0 foi determinante para o título. Sem forças, o Tricolor Carioca não conseguiu superar a defesa adversária e não saiu de um 0x0 em São Januário. 

                         


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

c